<< Voltar

Circuito Cultural

CIRCUITO CULTURAL BANCO DO BRASIL ANUNCIA NOVA SÉRIE DE SHOWS

Maria Bethânia, Lulu Santos e Sandy voltam a cantar seus compositores favoritos em mais cinco capitais brasileiras

Após passar por Curitiba, São Paulo, Ribeirão Preto, Goiânia e Recife, o Circuito Cultural Banco do Brasil anuncia nova etapa da série de shows em que Maria Bethânia interpreta a obra de Chico Buarque, Lulu Santos canta a fase roqueira de Roberto e Erasmo e Sandy dá nova roupagem às músicas do ídolo Michael Jackson. A retomada do projeto – com apresentações feitas sempre em dias consecutivos – começa por Belo Horizonte (27 a 29 de julho, no Palácio das Artes) e depois segue para o Rio de Janeiro (02 a 04 de agosto, no Vivo Rio), Brasília (de 08 a 10 de agosto, no Teatro Nacional), Porto Alegre (14 a 16 de agosto, no Teatro do Sesi) e Salvador (24 a 26 de agosto, no Teatro Castro Alves).

Idealizados por Monique Gardenberg e com curadoria de Toni Platão, os três espetáculos estrearam em novembro do ano passado. A ideia é, a cada ano, ter grandes artistas da música brasileira abordando o repertório de um grande compositor. O evento marcou a volta do Circuito Cultural, o bem-sucedido projeto itinerante do Banco do Brasil que durante uma década levou arte e cultura aos quatro cantos do país.

Criado em 1999, o Circuito Cultural Banco do Brasil investiu nas mais variadas formas de manifestações artísticas. Suas 121 ações -- de shows de música popular e instrumental a exposições, oficinas, palestras, mostras de vídeos e espetáculos de teatro e dança – percorreram 32 cidades e reuniram um público de mais de 1,25 milhão de pessoas.

Saiba mais

O Circuito Cultural é uma proposta diferenciada e capilarizada de atuação na área cultural. A iniciativa teve como precursor o projeto Brasil Musical, lançado em 1993, que buscava popularizar a música instrumental brasileira. Realizado por cinco anos, o Brasil Musical atingiu um público variado, tendo recebido, em 1994, o prêmio da APCA (Associação Paulista de Críticos de Arte), na categoria de Melhor Projeto de Música Popular, e, em 1997, o prêmio ABERJE (Associação Brasileira de Comunicação Empresarial), como Melhor Projeto Institucional da Região Centro-Oeste/Leste.

A partir de 1998, o projeto passou a incorporar intérpretes de MPB e deu origem ao Circuito Cultural Banco do Brasil no ano seguinte, quando o projeto percorreu quatro cidades, recebendo um total de 76 mil pessoas.

O Circuito Cultural passou então a contemplar as mais variadas manifestações artísticas: exposições de artistas locais (artes plásticas e fotografia), música, artes cênicas (teatro e dança), oficinas, palestras e mostras de vídeo.

Em 2000, o projeto percorreu 19 cidades, recebeu cerca de 370 mil pessoas e arrecadou mais de 100 toneladas de alimentos, em um formato que privilegiava grandes shows populares. Esse modelo cresceu ao longo dos anos e durou até 2007 e, em 2008 e 2009, com estrutura parecida, passou a ser conduzido pelos CCBBs RJ, SP e DF.