14/02/12

Banco do Brasil tem lucro recorde de R$ 12,1 bilhões em 2011

Carteira de Crédito Ampliada cresce 20% no ano


O Banco do Brasil registrou lucro líquido de R$ 12,1 bilhões em 2011, crescimento de 3,6% em relação a 2010. Esse desempenho corresponde a retorno anualizado sobre o patrimônio líquido (RSPL) de 22,4%. O resultado recorrente alcançou R$ 11,8 bilhões, evolução de 10,2% sobre 2010.

A remuneração aos acionistas no ano somou R$ 4,9 bilhões equivalentes a 40% do lucro líquido (payout), sendo R$ 3,1 bilhões na forma de juros sobre capital próprio (JCP) e R$ 1,8 bilhão em dividendos.

BB mantém liderança em ativos: R$ 981,2 bilhões
O Banco do Brasil alcançou R$ 981,2 bilhões em ativos totais ao final de dezembro, evolução de 21,0% em relação a dezembro de 2010 e de 3,3% sobre o final do trimestre anterior, confirmando sua posição de maior banco da América Latina em ativos totais.

Crédito impulsiona as receitas financeiras
As receitas de intermediação financeira, impulsionadas pelo desempenho dos negócios totalizaram R$ 102,9 bilhões no ano, 27,9% superior ao ano anterior. Desse total, destaque para as receitas provenientes das operações de crédito que somaram R$ 64,5 bilhões, ante aos R$ 53,4 bilhões registrados em 2010, com expansão de 20,7%.

Carteira de crédito atinge R$ 465,1 bilhões
A carteira de crédito em conceito ampliado, que inclui garantias prestadas e os títulos e valores mobiliários privados, atingiu R$ 465,1 bilhões em 2011, evolução de 19,8% em 12 meses. A expansão da carteira de crédito decorreu principalmente do crescimento das concessões para financiamento ao consumo, micro e pequenas empresas, agronegócio e o crédito no exterior.

Crédito à Pessoa Física supera a marca de R$ 130,5 bilhões
O crédito às pessoas físicas superou R$ 130,5 bilhões ao final de 2011, incremento de 15,5% em um ano e de 3,8% sobre setembro de 2011. Destaque para o crédito consignado que atingiu R$ 51,2 bilhões, expansão de 13,9% em 12 meses que garantiu ao Banco do Brasil a liderança com 32,3% de participação de mercado.

Crédito às empresas cresce 19,2% e chega a R$ 210,2 bilhões
No segmento de pessoas jurídicas, a carteira de crédito evoluiu 19,2% em 12 meses e 5,6% sobre setembro de 2011, totalizando R$ 210,2 bilhões em dezembro de 2011. Destaque para a linha de investimento, que evoluiu 18,2% em 12 meses, registrando saldo de R$ 39,1 bilhões.

Os desembolsos destinados a investimentos alcançaram R$ 33,8 bilhões em 2011, evolução de 63,2% em 12 meses, distribuídos principalmente nas linhas Finame (R$ 9,3 bilhões), BNDES (R$ 9,0 bilhões), FCO (R$ 4,5 bilhões) e Pronaf (R$ 4,2 bilhões).

Crédito Imobiliário do Banco do Brasil ultrapassa R$ 7,6 bilhões
A carteira de crédito imobiliário do Banco do Brasil ultrapassou a marca dos R$ 7,6 bilhões. Esse número representa incremento de 122,9% em 2011. O volume de negócios com pessoas jurídicas aumentou 237,3% de janeiro até dezembro 2011, chegando a R$ 1,6 bi. Com pessoas físicas, foram mais de 22,7 mil operações realizadas em 12 meses, totalizando a carteira de R$ 6,0 bilhões.

O BB encerra 2011 com 36 mil unidades habitacionais envolvidas nas diferentes fases do processo de financiamento à produção do Programa Minha Casa Minha Vida. A previsão é de que sejam financiadas 97 mil unidades habitacionais em 2012.

Crédito à MPE atinge R$ 68,1 bilhões
O crédito à Micro e Pequenas Empresas registrou expansão de 19,5% em 12 meses e 9,2% em relação a setembro de 2011, com saldo de R$ 68,1 bilhões. Destaque para a elevação de 11,6% no trimestre das operações de BB Giro Empresa Flex, com saldo de R$ 14,0 bilhões.

As operações de investimentos às micro e pequenas empresas alcançaram R$ 18,4 bilhões, evolução de 25,1% em 12 meses, destaque para a linha Cartão BNDES, que atingiu R$ 6,0 bilhões, correspondendo a 86,6% de crescimento em relação a dezembro de 2010. O BB utilizou amplamente o Fundo de Garantia de Operações (FGO) para permitir maior acesso ao crédito para MPE, reduzir o custo para o tomador final e ampliar o volume da carteira. Ao final de 2011, havia 428,6 mil operações formalizadas com cobertura do FGO, totalizando R$ 9,8 bilhões.

Maior financiador do agronegócio: carteira ultrapassa R$ 89,4 bilhões
O saldo da carteira de crédito do agronegócio atingiu R$ 89,4 bilhões, aumento de 18,0% em 12 meses, o que corresponde a 63,1% de todo o crédito bancário ao agronegócio no País. Na safra 2011/2012, foram desembolsados até dezembro/2011 R$ 26,4 bilhões em crédito rural, registrando crescimento de 19,4% em relação ao mesmo período na safra anterior. Desse total, R$ 5,5 bilhões foram destinados à agricultura familiar e R$ 20,9 bilhões à agricultura empresarial, apresentando incremento de 6,9% e 23,2% em relação à safra 2010/2011, respectivamente.

O total de operações de custeio agrícola contratadas nesta safra atingiu R$ 10,1 bilhões. Deste montante, 56,8% das operações utilizaram mitigadores de riscos, sendo 51,1% com seguro agrícola ou Proagro, 3,4% com proteção de preço e 2,3% com seguro faturamento.

BB tem participação recorde no comércio exterior
O BB permanece na liderança do mercado de câmbio exportação e importação, com participações de mercado de 29,3% e 22,2% e volumes de US$ 76,4 bilhões e US$ 45,6 bilhões, respectivamente.

As operações de Adiantamento sobre Contratos de Câmbio/Cambiais Entregues - ACC/ACE encerraram o ano com desembolsos de US$ 17,4 bilhões, o que mantém o BB como líder absoluto de mercado com market share de 33,7%.

Liderança nos repasses do BNDES
O Banco do Brasil alcançou em 2011 R$ 18,1 bilhões em repasses globais do sistema BNDES, com 21,5%, mantendo pelo quarto ano consecutivo a liderança nesse quesito. O cartão BNDES, produto em que o BB detém liderança (valores desembolsados, quantidade de cartões, e quantidade de transações), registrou a marca de R$ 10,6 bilhões liberados desde o início de sua comercialização, com 66% dos cartões emitidos no mercado.

Inadimplência permanece com índices inferiores ao do SFN
Em dezembro, os índices de inadimplência do BB mantiveram-se abaixo do observado no SFN. As operações vencidas há mais de 90 dias atingiram 2,1% da carteira de crédito, melhora de 20 pontos base em relação a dezembro de 2010, enquanto o SFN registrou índice de inadimplência de 3,6%.

O Banco do Brasil manteve também a prudência e a postura conservadora na gestão do risco do crédito. O risco médio registrado pelo BB foi 4,1%, menor que o registrado no ano anterior (4,3%), e abaixo do registrado no SFN (5,7%).
Em linha com a melhora observada na qualidade da carteira, as despesas com provisões para créditos de liquidação duvidosa (PCLD), registraram evolução de 10,8% em relação a 2010, ante crescimento de 18,0% da carteira de crédito classificada.

Captações totais alcançaram R$ 637,6 bilhões
A base de 56 milhões de clientes, aliada à rede de 57 mil pontos de atendimento, permitiu que o BB ampliasse sua base de recursos captados, mantendo liderança no Sistema Financeiro Nacional.
O BB registrou R$ 637,6 bilhões em captações totais no final de 2011, evolução de 22,8% em relação a 2010. Em depósitos, o BB captou R$ 442,4 bilhões, volume 17,4% superior ao ano de 2010. Em captações no mercado aberto, o montante foi de R$ 195,2 bilhões no período.

Liderança em administração de recursos de terceiros
Maior administrador de recursos de terceiros, o Banco do Brasil, por meio da BB DTVM, alcançou R$ 415,8 bilhões em recursos administrados, com crescimento de 15,4% em 12 meses e 21,6% de participação no mercado, segundo a Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiros e de Capitais – Anbima.

Na visão consolidada, incluindo os 50% dos recursos administrados pelo Banco Votorantim, por meio da Votorantim Asset Management - VAM, o BB administra R$ 430,9 bilhões, equivalentes a 22,4% do mercado de administração de recursos de terceiros.

Emissões no Exterior atingem US$ 8,1 bilhões
O Banco do Brasil efetuou no quarto trimestre de 2011 emissão de US$ 500 milhões em Senior Notes no mercado norte-americano. A operação possui um dos menores custos já registrados no mercado brasileiro, o que mostra a confiança do investidor internacional na Instituição.

Ao final de 2011, o saldo das captações externas alcançou US$ 34,6 bilhões, variação de US$ 9,2 bilhões ou 36,4% em relação a 2010.

BB confirma solidez no mercado de cartões
Os negócios com cartões encerraram 2011 com R$ 138,8 bilhões em faturamento, crescimento de 23,8% em relação ao ano anterior, participação de mercado de 20,8% e uma base de 83,6 milhões de cartões de crédito e débito emitidos.

No ano, o BB emitiu mais de 67,5 mil cartões da Bandeira Elo sendo que em dezembro de 2011 havia mais de 1,2 milhão de estabelecimentos credenciados.

Crescem as receitas com seguros, previdência e capitalização
Em 2011, os negócios com seguros, previdência aberta e capitalização agregaram ao Banco do Brasil R$ 1,6 bilhão, entre equivalência patrimonial e receitas de serviços, incremento de 18,5% sobre 2010.

As vendas dos produtos de seguridade no ano de 2011 alcançaram faturamento de R$ 22,1 bilhões. Desse montante, R$ 11,7 bilhões foram referentes à Previdência, R$ 3,3 bilhões de Capitalização e R$ 7,0 bilhões de Seguros. Por meio da parceria com o Grupo Mapfre, o BB permaneceu líder em prêmios do ramo de seguros de pessoas e ocupa a 2ª posição no ranking de receitas com seguros de automóveis, com 16,0% do mercado nacional. No ramo de previdência, o Banco do Brasil registrou arrecadação de R$ 10,4 bilhões em 2011, crescimento de 23,9% em comparação a 2010, correspondendo a 22,3% de participação do mercado, conferindo-lhe a 3ª posição. Quanto ao segmento de capitalização, o Banco do Brasil registrou R$ 3,3 bilhões em receitas e R$ 4,9 bilhões em provisões, posicionando-se em 1º lugar em ambos os quesitos.
(Fonte: Susep)

BB amplia a Eficiência Operacional
As Despesas Administrativas registraram ao final do exercício o montante de R$ 24,7 bilhões, crescimento de 9,7% quando comparado ao ano anterior. A evolução está em consonância com reajustes contratuais pactuados e com o crescimento orgânico das operações.

A ampliação das receitas operacionais, o controle das despesas administrativas e os ganhos de sinergia provenientes da integração de aquisições proporcionaram melhoria no índice de eficiência (quanto menor melhor) que apresentou redução de 51 pontos base em 12 meses, registrando 42,1% ao final de 2011.

Crescimento não compromete índice de capitalização
O índice de capital (K) do Banco do Brasil encerrou dezembro de 2011 em 14,0%. O indicador permite a expansão de até R$ 156 bilhões em ativos de crédito, considerando a ponderação de 100%. Em janeiro de 2012 foi realizada emissão externa para captação de Bônus Perpétuo no valor de US$ 1 bilhão. O BB aguarda autorização do Banco Central para classificar o recurso como capital Nível 1, o que elevaria o Índice de Basileia registrado em dezembro para 14,3%.

BB intensifica sua atuação internacional
Banco brasileiro de maior presença no mercado mundial, com 49 dependências em 23 países, o Banco do Brasil tem intensificado sua atuação internacional nos últimos anos.

Em dezembro de 2011 o BB obteve aprovação do Federal Reserve Bank – FED para a compra da totalidade das ações do banco norte-americano EuroBank. Com isso, em janeiro de 2012, foi concluída a operação, que permite a atuação no mercado de varejo dos Estados Unidos.

Com o objetivo de atrair mais investidores no mercado asiático, o BB anunciou em 2011 que vai inaugurar, em 2012, uma nova BB Securities em Cingapura. Atualmente a região representa 5% dos compradores dos títulos colocados pelo Banco no exterior.

Microcrédito Produtivo Orientado alcança R$ 142,3 milhões em 2011
O Banco do Brasil, em sua atuação no Microcrédito Produtivo Orientado – MPO, alcançou o valor de R$ 142,3 milhões de saldo, com mais de 36,3 mil operações contratadas por cerca de 34,9 mil empreendedores de todo o País.

A estratégia de atuação do Banco no MPO está alinhada ao Crescer – Programa Nacional de Microcrédito do Governo Federal e contribui para a erradicação da extrema pobreza, em sintonia com o Plano Brasil sem Miséria.

Comunidade da Rocinha ganha agência do BB
O Banco do Brasil inaugurou, em dezembro de 2011, sua agência na Comunidade da Rocinha, no Rio de Janeiro. A nova agência é parte da estratégia do BB de expansão da rede para áreas desassistidas de atendimento, proporcionando bancarização, inclusão social e educação financeira.

BB e Correios comemoram sucesso da operação do Banco Postal
Banco do Brasil e Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos firmaram, em julho de 2011, contrato para prestação de serviços de correspondente bancário por meio do Banco Postal. As duas empresas iniciaram a operacionalização da parceria em janeiro de 2012, quando mais de 6 mil pontos de atendimento dos Correios passaram a atuar como correspondentes BB, ampliando a presença do Banco do Brasil para 96,4% dos municípios do País.

Em um mês de operação, foram abertas 142,3 mil novas contas e realizadas 6,8 milhões de transações, entre saques, depósitos e pagamentos de contas.




Assessoria de imprensa BB
(61) 3102-3536



Veja Também

Twitter


Videos


 
 


 PXL1WEB00505_www-externo-17
© Banco do Brasil
Central de Relacionamento BB - 4004 0001 / 0800 729 0001 SAC BB - 0800 729 0722 Ouvidoria - 0800 729 5678 Deficientes auditivos/fala - 0800 729 0088 Segurança
 

Carregando ...